quarta-feira, 23 de março de 2011

PSB - LICENÇA, DONA DA CASA

Com Felipe Klamt

Está ficando quase impossível de analisar, avaliar, entender, compreender e aceitar o comportamento dos políticos que insistem ficar nos partidos de esquerda e ser guardião da bandeira contra o atraso do Maranhão chamado Sarney.

Quando a direita toma o poder trata os opositores como inimigos do seu projeto de continuidade, muitas vezes estes grupos reacionários, sustentados na corrupção, conseguem neutralizar a esquerda por causa de membros que estendem as mãos a procura da abença do “Sim Senhor”.

Na última reunião do PSB, a mesma que o presidente estadual pai Almeida deu de presente a presidência de São Luís para o filho seu Almeidinha, foi sugerido que os deputados eleitos pelo partido socialista assinassem um documento de afirmação como oposição ao grupo Sarney.

Curiosamente o único que não aceitou de forma nenhuma deixar a sua marca no papel foi o deputado federal Ribamar Alves, fato que causou um grande mal-estar entre os parlamentares, ampliando as dúvidas sobre esse comportamento.

Qual o real motivo para o Alves não ter coragem de enfrentar a família Sarney, será que ele esqueceu todas as maldades do Sarney contra ele, houve realmente uma conversa de aproximação, vai ver que a nomeação da sua esposa Luana em um cargo no governo federal passa pela vontade do senador Sarney, talvez não, deve ser porque a sua eleição para a prefeitura de Santa Inês depende do seu comportamento com a governadora Sarney ou será que ele acredita que o Sarney vai conseguir tomar o PSB maranhense e o coroar “ad eternum” o presidente do partido?

Publicamente não temos conhecimento de nenhum deputado socialista frequentando à residência da família Sarney no Maranhão e em Brasília. Então, o que estava fazendo, nesta semana, o deputado federal Ribamar Alves, eleito pelo PSB, na casa de Brasília da governadora Roseana, eleita pelo PMDB? 

2 comentários:

minhasestorias disse...

Seria lamentável ver o PSB esquecendo a sua história e se posicionando por conveniência, oportunismo e conformismo.

Marcos Ponts.

Marcos Ponts disse...

Seria lamentável ver o PSB esquecendo a sua história e se posicionando por conveniência, oportunismo e conformismo.