quarta-feira, 29 de julho de 2009

JOSÉ SARNEY: O HOMEM DO PAU AMARELO

Salvador Decá

Uma das razões para Sarney não cair é sua raiz. Dizem que a árvore com a raiz mais profunda é a Amendoeira. Mas essa árvore não se dá muito bem no clima de Brasília que, por seu lado, faz florescer o “Pau-Amarelo”, própria para o clima brasiliense. De raiz pivotante, porte médio e sombra generosa a chamada árvore ” Pau-amarelo” ( Vochysia haenkeana) é facilmente encontrada florescendo e dando sombra no amplo espaço verde do Congresso Nacional.

Suas raízes são necessárias para segurar o porte médio do Pau Amarelo e de vários elementos que se satelizam ao seu entorno.Assim é o Sarney. Muita gente tenta conhecer o mistério dele por ter durado tanto tempo no ápice das lideranças políticas do Brasil. A resposta é sua identidade ou verossimilhança com o Pau Amarelo e sua raiz.

Ele tem suas raízes fincadas em quase todo território nacional. Isso é um diferencial que elimina, por exemplo, lideranças como do atual governador de Minas ou de São Paulo, figuras regionais. O sustentáculo de Sarney parece com aquele gigante do mar, das aventuras das “Mil Léguas Submarinas”.
O polvo gigante que consegue abarcar um transatlântico e esmagá-lo com força descomunal.

Na ficção, Julio Verne não imaginaria que um ser humano pudesse ter a mesma força sem ter esmagado uma viva alma ao longo desses 50 anos de política. Muito menos, “sem ter um só inimigo, mas adversários”, como ele disse em seu último discurso de posse na presidência do Senado.

O José Sarney, nascido José de Ribamar Araújo Costa é uma figura excepcional. Lembro de uma charge em que o autor jogava bombas-atômicas e destruía o Maranhão. Passadas as nuvens tóxicas lá estavam duas baratinhas correndo, alegres, gritando “Sarney… Sarney”. E foi no Maranhão que tudo começou mesmo. Durante seu governo, todas as pessoas que ele empregou ou nomeou; do mais baixo servidor público ao secretário ou ao desembargador ou conselheiro do Tribunal de Contas; quase todos assumiram um pacto de confiança com ele.
A mesma coisa se deu no nível nacional após sua ascensão mágica à Presidência da República.

Usando a mesma estratégia, Sarney foi colocando seus pontos de escuta e suas lideranças em lugares-chaves no País. Tinha à mão os terceiro e segundo escalões federais em todo o País. Aliás, quem liga mesmo para lideranças de terceiro-escalão? Na época, os olhos bestiais da imprensa e da besta oposição estavam em riste, mas errada: na direção do monstro da inflação.

E ele, como o pescador Antão Cristório, de seu romance “ O Dono do Maranhão”, êpa, “O Dono do Mar”, tecia cuidadosamente sua grande rede de pesca unindo os pontos com nós ensinados pelo Caboclo Tranca-Rua.

Se deu certo no Maranhão, porque não daria no Brasil? E ele, ardilosamente, começou a estender seus tentáculos que dariam inveja ao inimigo do Homem-Aranha, o Octupus. Em cada ponta deles, um líder esperto e compromissado com ele. O Sarney tem prestígio até com o mais humilde porteiro do Palácio da Alvorada; ou mesmo com a figura solitária de um fã incondicional, um aloprado chamado de “Sócrates” que nasceu lá pelas bandas da Cohab na periferia de São Luís e hoje o está assessorando em Brasília. E sabem por que? Por que “Sócrates” é uma figura lendária. Por onde passa escuta e conta tudo para o Sarney, que dá boas gargalhadas.

Certa vez, quando o Sarney estava no Alvorada, em Brasília, o “Socrates” chegou repentinamente ao Palácio e não o deixaram entrar. Esperto, “Sócrates” decidiu pular o muro e pulou. O Sarney, lá de dentro, só escutou o estampido. Sua segurança havia dado um tiro de alerta. Sarney, de roupão, correu até o jardim e quem estava lá, branquinho que nem neve, apesar de ser escurinho como chocolate? Ele, o dito cujo. Sarney acalmou seus seguranças e deixou o “Sócrates” passar a noite por lá. Nessa noite “Sócrates” contou tudo que havia ouvido nos bastidores do Poder, em São Luís.

Um exemplo de que Sarney tem homens de confiança. E grande confiança mesmo, como o Chiquinho Escórcio, por cujas mãos foram parar todos os vídeos, os comentários, os jornais e os documentos comprobatórios da “compra de votos”, no episódio da fatídica intervenção de Jackson Lago, no governo dos Sarneys, no Maranhão. Assim, o senhor Octupus-Sarney fez sua teia e ao longo desses anos a tem fortalecido com novos membros do judiciário, executivo e legislativo, nacionais.

Pelas contas que fizemos nas pesquisas de jornais e revistas, Sarney conta, a seu favor, hoje, com 50, dos 81 senadores. Muitos deles lhe devem favores seríssimos, comprometedores até. Ninguém pense que o Sarney não é um dos maiores arquivistas deste País. Até aqueles bilhetinhos em papel jornal ou em guardanapo de bar, com pedidos e etc e tal, ele tem guardado. Coisa do arco da velha. Tem gente aí com o gogó às amostras, cantando de galo que nem imagina o que Sarney tem guardado nos guardanapos da vida. Esses caras, na época, simples funcionários de estatais ou vereadores ou prefeitinhos de meia-tigela; todos, vinham com o pires nas mãos pedir favores e absurdos para o então Presidente da República. Eles esqueceram. Sarney, não! Por que o Lula forçou a barra, contra tudo e contra todos, e ficou do lado dele? Não foi de bonzinho, foi?
Não! Porque o Sarney ainda tem força suficiente para jogar para baixo do tapete todas as denúncias que lhe caem às costas ou nas dos filhos porque neste País há ilicitudes de todos os lados. E ninguém vai dar uma de bonzinho começando a caça às bruxas por Sarney. Nem ele vai admitir isso. (E as denúncias contra isso e aquilo, CPIs e etc foram parar onde? Imagina com o Homem do Pau Amarelo). Inclusive no Ministério Público e na Polícia Federal. (Eu não sei qual, mas garanto que o Sarney sabe detalhes de algumas operações abafadas aí pela vida).

No fundo, este é um País de faz-de-conta. O próprio Simon, a cara da ética, apóia a governadora do seu Estado, o Rio Grande do Sul, eivada de graves denúncias públicas contra ela. (Comprou sem ter renda, uma casa de 1, 5 milhão, o mesmo valor encontrado pela PF nas coisas da Branca, época em que ela ensaiava sua candidatura à Presidência, lembram??? A Roseana perdeu a candidatura e a Governadora gaúcha, tchê?).

Então porque só o Sarney é que tem que pagar? Porque é nordestino? Por que o Sarney é hoje o maior político vivo da história política deste País? Porque escreveu alguns romances mais ou menos? Porque não aceitou ser presidente da Academia Brasileira de Letras?

Se for por conivência, então comecemos a destituir dos cargos todos os senadores, mesmo Simon, por defender uma “possível administração ilícita do Serviço Público”. O Arthur foi com a namorada para Paris e de lá pediu grana para Agaciel pagar a farra. R$ 10 mil. O que é isso? Tião Maia está envolvido com escândalos que comprovam pagamentos exorbitantes por tratamento de saúde e outras denúncias graves. O que é isso?

Já o Agripino (Dem-RN), é igual pavão. Lindo, mas não voa, não tem profundidade em suas alegações. Apertou, corre para o Sarney! Outro que não deve nem mesmo entrar na briga é o imortalizado e “ético” senador, ex-marido de Marta, que foi namorar em Paris com passagens aéreas pagas pela “Viúva”.
Eu repito o que disse anteriormente: atirem a primeira pedra. (Ou a primeira pílula azul…). Pois bem, quando esses querem aparecer na mídia, logo escondem seus morrinhos de baixo. Eles também doem muito quando chutados, né?

E assim sucessivamente. Se for para punir em nome de todas as Honras, Leis e Éticas do País, então canetada em todos. Que todos renunciem e começemos uma nova vida parlamentar neste País. Entram nessa jogada governadores e deputados federais, igualmente. eradores, êta, esses nem se fala. Imaginem prefeitos municipais. São mais de 5 mil… mas nem todos, claro!

Agora quem pensa que Sarney vai ser expurgado como o foi Collor simples e puramente por uma Elba, e outros nomes que despontaram e desapareceram do cenário relampegamente, está redondamente enganado. Suas raízes de Pau Amarelo são suficientemente afixadas em solo para não vergar diante da mais séria crise institucional, sim, porque essa crise não é do Sarney – quem disse isso está mentindo – essa crise é institucional. Tanto que Lula não caiu diante da mais séria e desastrosa crise de seu partido, o PT (elho).

É uma crise de decadência físico-logística do Congresso Nacional, onde o povo, por incompetência ou ignorância real política, conseguiu encher o Congresso de representantes que nunca deveriam, ter saído de suas instâncias. Na época de Brossard e de Ulysses esses corruptos nem tinham coragem de meter a carinha fora do lençol. (Saudades dessa época). A crise passa ao largo do poder de fogo do Sarney, passa ao largo das forças misteriosas do Sarney, passa ao largo da força política e institucional de Sarney, passa ao largo do apoio ou não do Presidente da República, passa ao largo do Judiciário e do legislativo, igualmente.

A crise institucional do Congresso não é dívida do Sarney! A crise, enfim, passa longe de abater esse homem, Pau Amarelo, que arboriza a maioria das áreas-verdes de Brasília… capitais… municípios…Sarney é o homem do Pau Amarelo, de raízes suficientes para não se envergar à crise dos outros…

Bem, mas se for para renovar o País, enchê-lo de Ética, Juventude, Compromisso e Vitórias contra Argentinos, Paraguaios, Americanos do Norte, Italianos, Franceses e tudo mais, então dêem uma chance ao Dunga… quem sabe?

Texto postado no Blog Mhário Lincoln do Brasil

6 comentários:

Anônimo disse...

Um blog dessa magnitude que publica um artigo desses é realmenmte LIVRE E INDEPENDENTE. Parabéns aos seus colaboradores

mhario disse...

Parabéns por sua independência, Klant.
Nós do www.mhariolincoln.jor.br estaremos sempre às ordens.

coroatanoticia.blogspot.com disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Saddam Hussein disse...

É interessante ver tamanha descrição do atual cenário político do nosso Brasil, algo que respinga, e muito, no Maranhão.
Parabenizo Felipe Klant pela idealização desse Blog, que tenho absoluta certeza que será o espaço de posicionamento da Juventude e por que não dizer do povo do Maranhão.

Não podemos nos calar diante a vergonha política que nos aflinge esse momento. Realmente temos que ser fortes e resistir contra os Governos constituídos por Desembargadores que defendem apenas interesses familiares dos Sarney e dizer basta nas próximas eleições.

FORÇA JUVENTUDE!!!

Um forte abraço,

SADDAM HUSSEIN
JUVENTUDE DE COROATÁ-MA

Ermelinda Maria disse...

Mhario,
Bom dia!
Caro, esplêndido artigo. Muito bem colocada a tecitura da rede de "amigos", inclusive poetica, e traz à baila o aspecto biográfico do livro do "imortal". Prova cabal disso, nos altos escalões, é a carta que Sarney não teve pejo em escrever cobrando descaradamente de Rezek, como favor pessoal concedido, a nomeação para o STF.
Muito bom. Abraços.

Lord disse...

2010 VEM AI, “ELEJA, NÃO REELEJA”, VAMOS LIMPAR O CONGRESSO, AQUELE SHOW DE HORRORES, COM CPIS TERMINANDO EM PIZZA, DEPUTADOS E SENADORES ARROGANTES, ACOBERTANDO UNS AOS OUTROS. OS ATUAIS DEPUTADOS E SENADORES SABEM O QUE ALI OCORRE, POREM SÃO CONIVENTES! ALGUNS CRITICAM SEUS PARES, MAS FALTA CORAGEM. LAMENTÁVEL PORQUE PRECISAMOS DE HOMENS QUE MORALIZEM AQUELAS INSTITUIÇÕES. caranovanocongresso.blogspot.com